Conteúdo
Repórter: Sidney Silva
Publicação: 12/11/2017 19h14
Atualização: 19h27

O Brusque FC segue na berlinda, mas ainda bem vivo na Copa SC. Em um jogo de sete gols disputado neste domingo (12) no estádio Augusto Bauer, a equipe sofreu para vencer o Inter de Lages, mas conseguiu a primeira vitória na competição.

Uma partida que terminou de forma dramática após o time abrir o placar de 4 a 1, com três gols em menos de 10 minutos, já no segundo tempo de partida. No outro duelo, o Tubarão venceu o Joinville por 1 a 0 e agora divide com a equipe do Norte a primeira colocação da competição.

Joinville e Inter somam 8 pontos, contra 6 do Brusque e 3 do Inter. Na última rodada, o JEC recebe o Brusque em casa, enquanto que o Tubarão pega o Inter de Lages fora de casa.


Jogo feio
Mesmo após duas semanas de treinos, o Brusque pouco mostrou diferente dos jogos anteriores. Um time apático, desatento em muitos momentos e com certa fragilidade diante um adversário que também apresentava poucos recursos.

O gol de Jean Dias, aos 6 minutos da primeira etapa, que contou com a colaboração de Fabian Volpi, após cobrança de falta, não foi o suficiente para dar mais tranquilidade aos atletas, que pouco criaram na etapa inicial.

Tirando a cabeçada de Wilson Jr, que antecipou a zaga aos 30 minutos do primeiro tempo, o time pouco fez. A essa altura, Mineiro já havia deixado o gramado, lesionado, para a entrada de Adãozinho. Ruan, o outro volante que iniciaria jogando, virou baixa ainda antes do início da partida para a entrada de Eurico.

O Inter, que só chegava nos vacilos defensivos da zaga do Brusque, se aproveitou de uma destas bobeiras para empatar a partida. Alysson cobrou falta nos pés do adversário. Na sequência, Mateus Arence acionou Menezes que ganhou de Ronaell e desviou no meio das pernas de Dida: 1 a 1, aos 43 minutos da etapa final.

Inter melhor
Vaiado pela torcida e muito mal na partida, Alysson sequer voltou do intervalo. Deu lugar ao meia Aldair, enquanto Maurício, que começou improvisando na lateral-direita voltou à sua função de origem e Gustavo Xuxa foi deslocado para a ala. A mudança do 4-5-1 para o 4-2-3-1, com Aldair mais próximo de Edu e dos pontas Jean Dias e Wilson Jr pouco surtiu efeito.

Pelo contrário, o técnico Fernando Lessa foi mais feliz ao tirar Mateus Moser e colocar Djones Bruno. A essa altura, o time da serra também precisava da vitória para não ser eliminado justamente junto com o Bruscão, já que o Tubarão vencia parcialmente o Joinville por 1 a 0.

Jogo pega fogo
O jogo que era morno pegou fogo rapidamente. Nos primeiros 15 minutos do segundo tempo a equipe visitante foi melhor, mas foi o Brusque que voltou à frente do marcador. Após saída errada do time de Lages, Ronaell chutou, a bola desviou e sobrou limpar para Wilson Jr. A zaga do Inter parou pedindo impedimento, mas a arbitragem mandou seguir e o jogador mandou para o fundo das redes aos 15 minutos: 2 a 1 Brusque. O Inter sentiu e tomou outros dois gols em sequência, ambos de Edu. Aos 17 e aos 23 o jogador bateu cruzado para, aparentemente, sacramentar a vitória: 4 a 1.

Mas os velhos erros do Brusque voltaram a aparecer e, inacreditavelmente, o time quase cedeu novamente o resultado. Mesmo com a grande vantagem, o Brusque voltou a mostrar insegurança e quase permitiu a reação do adversário. Max, de cabeça, descontou aos 25. Aos 33, de pênalti, fez o terceiro.

Daí para frente foi só desespero. O Inter cresceu e pressionou o Brusque. Foram momentos de drama revividos pelo torcedor. Aos 43, por pouco Max não alcançou de cabeça e fez mais um. O time sufocou o Brusque que, acuado, agradeceu aos céus ao apito final do árbitro Diego da Costa Cidral.

Foto: Lucas Gabriel Cardoso|Brusque FC