Conteúdo
Repórter: Redação
Publicação: 29/10/2019 11h49
Desde muito cedo, João Vitor Silvério de Oliveira, 16 anos, sabia que queria praticar algum esporte. Só não tinha certeza qual seria. O primeiro teste foi no futebol. A timidez o impedia de se oferecer para os treinos, mas um dia ele tomou coragem e foi. Aos 11 anos entrou em campo e no pouco tempo que permaneceu na Associação de Futebol Educacional de Guabiruba (AFEG) já começou a colecionar medalhas.

Mas não demorou muito e João decidiu experimentar as quadras jogando basquete. Sua altura fazia parecer viável. A prática mostrou que não. Não era o seu perfil. A atual secretária de Esportes, Lazer e Assuntos para a Juventude Marcia Hochsprung Watanabe, ex-jogadora profissional de basquete, percebeu que João poderia se dar bem no vôlei e sugeriu que o garoto experimentasse a modalidade.

Não deu outra: o bom desempenho rapidamente se destacou em quadra. Naquela época, Guabiruba contava com um projeto da Abel Vôlei, que obtinha apoio financeiro para atuar na cidade através do Fundo da Infância e Adolescência (FIA).
Atualmente, João segue no time, mas agora treinando em Brusque e vem crescendo muito. O atleta já disputou todos os mais importantes campeonatos de Santa Catarina. Recentemente, ajudou a equipe a conquistar medalha de ouro na Olimpíada Estudantil de Santa Catarina (Olesc) sendo esse o único título da cidade na competição. O próximo desafio serão os Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) pelo time adulto de Brusque.

Entre uma competição e outra pela Abel Brusque, equipe da qual ele é o atual capitão, João também tem conquistado espaço junto à Seleção Catarinense de Voleibol Sub-17. Em uma seletiva com seis brusquenses, ele foi o único selecionado e viajou com o time para Saquarema (RJ), onde disputou o brasileiro na sua categoria. “Foi uma grande experiência. Estávamos no centro do voleibol do Brasil. Nosso time perdeu, mas eu aprendi muito, principalmente em relação ao controle emocional”, destaca.

O objetivo de João é seguir profissionalmente a carreira de atleta. Ele tem na família um dos seus maiores apoios. A mãe o acompanha em tudo o que pode e trabalha duro para oferecer suporte ao filho acreditando sempre o seu sucesso. Outro apoio fundamental hoje é da Escola Carlos Maffezzolli, que concede as dispensas para que ele possa jogar em outras cidades.



Redação

E-mail para contato contato2002280436258536@2002280436257708esportesc.com.