Conteúdo
Repórter: Redação
Publicação: 08/02/2018 01h19
Atualização: 01h55

Não foi dessa vez que o Bruscão voltou a fazer história na Copa do Brasil. Em uma intensa noite, em jogo que começou na quarta (7) e encerrou apenas no início da madrugada de quinta-feira (8), a equipe foi derrotada pelo Ceará por 1 a 0 e se despediu ainda na primeira fase da Copa do Brasil. O gol único do time cearense, que já jogava pelo empate, foi marcado por Rafael Carioca, uma pancada de fora da área aos 20 minutos do segundo tempo. 

O Brusque jogou a etapa complementar toda com um atleta a menos, já que Antonio Carlos Foi expulso ainda no primeiro tempo, aos 40 minutos. Com um a menos, ficou difícil reagir. O próximo adversário do Ceará agora será o Londrina, em jogo único que ocorre no Paraná. Já o Brusque volta suas atenções novamente para o Catarinense. No domingo, a equipe encara a Chapecoense na Arena Condá.

Refletores atrasam o início
A partida entre Brusque e Ceará começou com uma hora e quinze minutos de atraso após problemas com refletores no estádio Augusto Bauer. Com o retorno parcial da torre que fica localizada logo no acesso principal do estádio, a bola rolou apenas por volta das 23h05.

Choque e susto
Na tentativa de reacender as luzes, um dos profissionais que trabalhava na torre de iluminação acabou levando um choque quando descia, já perto do solo. Ele foi conduzido ao hospital ainda consciente e passa bem. Foi detectado apenas uma luxação no braço direito em razão da queda.

Torcida faz a sua parte
Com a bola rolando, a torcida fez a sua parte e compareceu em peso às dependências do estádio Augusto Bauer. Foram 2.980 pagantes para uma renda de quase R$ 95 mil. A expectativa, aos poucos, foi dando lugar a frustração, primeiro com a expulsão de Antonio Carlos, e depois com o golaço de Rafael Carioca. Porém, o torcedor, compreendendo o esforço do time e a disparidade entre as duas equipes, reconheceu o empenho e aplaudiu os jogadores ao fim da partida.

O jogo
O Ceará foi totalmente superior ao Brusque na etapa inicial. Se sentindo em casa, o time trocou passes como quis e já merecia a vantagem ainda no primeiro tempo. Foram várias chances claras, diante uma lenta e desatenta zaga brusquense. Não fosse dois milagres de Dida, após vacilos de Douglas Silva e Antonio Carlos, a meta brusquense seria vazada ainda antes dos 30 minutos iniciais.

O bonde
Experiente, Antonio Carlos era a esperança de tranquilidade à equipe do Brusque. Mas, pelo contrário, o jogador que atuou em São Paulo, Botafogo e Fluminense acabou sendo o grande bonde da partida. Perdeu todas as divididas para o veloz Elton, ex-Vasco. Resultado, acabou amarelado duas vezes na disputa de bola com o atleta, foi para o chuveiro ainda no primeiro tempo, e minou qualquer poder de reação do Bruscão, que naquele momento já era dominado na partida.

Golaço define o jogo
Na etapa final, já com Cleyton no lugar de Rafinha, o Brusque teve uma leve melhora no início, mas as grandes chances de gol ainda eram do Ceará, que passou a aproveitar a superioridade numérica e explorar os contragolpes. O golpe de misericórdia, no entanto, veio aos 20 minutos, quando Rafael Carioca acertou um chute de rara felicidade. A bola finalizada de longe foi parar no ângulo de Dida: 1 a 0 e classificação garantida. Nem as entradas de Jefferson Renan e Edu foram suficientes para ajudar a evitar a queda do Bruscão, que deixou de garantir R$ 600 mil em caixa por não avançar à próxima fase.

Fotos: Lucas Gabriel Cardoso|Brusque FC



Redação

E-mail para contato contato2011291748581001@2011291748589189esportesc.com.