Conteúdo
Repórter: Sidney Silva
Publicação: 04/06/2020 11h43

Campeão brasileiro mais jovem na prova de contrarrelógio individual, o ciclista brusquense André Gohr, 23 anos, comemora, esse mês, no próximo dia 28 de junho, um ano do principal título da carreira. De perfil sereno e muito focado, o atleta de Brusque colocou seu nome de vez na história do ciclismo brasileiro e projetava um 2020 ainda mais vitorioso. A paralisação de competições por meio da pandemia acabou sendo um empecilho na preparação, mas o foco do ciclista continua, pensando em algo ainda maior: a disputa das Olimpíadas de 2024.

Bola da vez no ciclismo brasileiro, Gohr lembra que o ciclismo de estrada vinha enfrentando sérias dificuldades nesse período pós-olimpíada no Brasil. Falta de planejamento, investimento e gestão são algumas das situações evidenciadas pelo atleta. Segundo ele, fatores como esses influenciaram diretamente para o país não conseguir vaga para as Olimpíadas de Tóquio em 2020. “Nesse momento de pandemia o cenário do ciclismo é uma grande incerteza, mas quem saiba possa ser um momento para que as pessoas que são as gestoras do esporte no Brasil se reinventem e as coisas possam começar a melhorar, para que possamos voltar ao que era em um futuro próximo, e estarmos nas Olimpíadas em 2024.”, diz o atleta.

É em Paris 2024 que o atleta deseja estar para voltar a colocar a modalidade em evidência na principal competição esportiva do mundo. “No início, até encaixar os treinos, foi um pouco complicado em virtude da pandemia. Porém, considero que, por mais difícil que seja esse período, venho mantendo um excelente nível de preparação e os treinos mostram que houve uma grande evolução”, diz. “Isso me faz continuar motivado, pois mesmo sem provas ou objetivos tão claros, sigo evoluindo. Isso fará diferença no retorno do calendário de competições, e a longo prazo para alcançar o objetivo de poder chegar à olimpíada”, comenta.

Enquanto projeta estar na França em 2024, Gohr segue de olho nos desdobramentos para o retorno das competições de ciclismo no Brasil. A paralisação foi um grande balde de água fria para o atleta que tinha grandes objetivos no primeiro semestre, entres competições no Chile, Argentina, Uruguai, além do Campeonato Panamericano e de provas do ranking nacional. “O grande objetivo do final desse primeiro semestre era defender o título de campeão Brasileiro conquistado em 2019. Até o momento, a única informação que temos é que o campeonato deve ser realizado no fim de agosto, porém, sem data definida. O restante das provas ainda é uma grande incógnita”, finaliza.

André Gohr tem apoio da Força Área Brasileira, equipe de ciclismo de Ribeirão Preto, Dux Nutrition, Go Treinos e Prefeitura de Brusque.



Sidney Silva

E-mail para contato redacao2007041601235541@2007041601234712esportesc.com.