Conteúdo
Repórter: Redação
Publicação: 27/09/2016 15h40
Atualização: 28/09/2016 19h29

O segundo tema da série de entrevistas de EsporteSC.com é Vila Olímpica. Entre os candidatos entrevistados pelo portal, somente Chico Cordeiro (Psol) descartou dar continuidade ao projeto criado na gestão de Paulo Eccel (PT). Porém, faltaram propostas concretas sobre a viabilidade da obra, sendo que todos os candidatos se resumiram a afirmarem que buscarão recursos via Governo Estadual e Federal para dar andamento à obra, que praticamente não teve avanços após a compra do terreno que até então pertencia a empresa Souza Cruz, ainda em 2014.

O que eles disseram?
Para Chico Cordeiro, a proposta de uma Vila Olímpica soa contraditória, já que  não se tem um trabalho de base no esporte. Para o candidato, é preciso trabalhar melhor o esporte dentro das escolas, aproveitando os espaços públicos já existentes. “Por quê construir mais outra estrutura física se você não tem, na prática, um incentivo a prática de esporte”, observa.

Gustavo Halfpap, do PT, argumentou que a prefeitura, na gestão Eccel, à qual participou, garantiu recursos com a venda da Secretaria de Obras não somente para a compra do terreno, mas, naquela oportunidade, também para toda a parte de infraestrutura e vias de acesso. Ele acredita que a obra tem que ter continuidade para criar uma nova zona de expansão na cidade. “Precisamos propiciar eventos maiores, mais diversificados. Isso vai dar qualidade até para o Turismo e a Economia. Então é um projeto que seguramente vamos implantar”, diz ele, apostando em recursos do Governo do Estado e Federal.

Jones Bósio, do Democratas, tem pensamento semelhante, sugerindo que a cidade possa abrigar vários eventos de porte nacional, como a Fórmula Truck. O candidato do partido Democratas ressalta, porém, que a prefeitura não tem recursos próprios para a obra. E por isso vai buscar recursos via Governo Federal. “Temos que saber que a prefeitura hoje, o orçamento que ela tem próprio, ela não tem capacidade de fazer isso sozinha. O nosso plano de governo está muito embasado e fundamentado em cima dos recursos que nós temos. Este projeto vamos buscar recursos com o Governo Federal e Estadual para por em prática e lá alojar estes eventos importantes”, ressalta

Odirlei Dell’Agnolo, o Bah, do partido Solidariedade, comenta que “Vila Olímpica” é um sonho, “mas entre sonhar e fazer disso realidade é preciso analisar o contexto financeiro da prefeitura" e as contrapartidas do governo Estadual e Federal. “Da minha parte vou incentivar, gostaria muito de ter um espaço como esse, até porque nesse espaço a gente vê a união de todo esse modelo que a gente quer de democratização”, diz ele, ao defender uma discussão aberta com a comunidade.

O candidato do PSB, Dr. Jonas, diz que o assunto ficou esquecido na última administração. Ele cita ainda a queda na arrecadação e fechamento de empresas no país como um problema, mas assim como os demais também defende a obra com recursos do Governo Estadual e Federal. “Precisamos disso para poder começar a fazer alguma coisa ali em termos de obras físicas. Acho uma área muito boa, importantíssima, e vai servir de base para formarmos nossos atletas”, destaca ele, apesar de admitir que em razão do momento financeiro ainda não sabe como tocará a obra. “Tenho que me inteirar da situação para ver o que existe em nível de projeto”, observa.

Veja abaixo o posicionamento na integra de cada candidato sobre a pergunta que segue.

O projeto denominado  “Vila Olímpica” surgiu com o objetivo de alocar diversas modalidades esportivas num mesmo espaço, fora da área central da cidade. Aliado a isso, a ideia era resolver uma pendência judicial com a família Hoffmann, detentora da área onde hoje estão o Kart Clube, CTG e o Bicicross, por exemplo. Hoje, no entanto, pouco se fala sobre o assunto. Qual a sua proposta em relação à Vila Olímpica? (Guilherme Furtado, jornalista e repórter de EsporteSC.com)


JONES BÓSIOS (DEMOCRATAS)

Todo assunto que gera debate, quando chega na campanha o pessoal foge. Não quer debater porque pode estar tirando voto ou ganhando voto. Mas nós temos que debater isso. Temos que entrar nesse assunto, é importante, a questão da logística. Nós queremos sim fazer a Vila Olímpica, mesmo que o projeto não seja nosso. Mas nós temos que saber que a prefeitura hoje, o orçamento que ela tem próprio, ela não tem capacidade de fazer isso sozinha. 

Já fui em Brasília, tenho portas abertas, como eu fui até o Ministério do Turismo e da Cultura. Eu cadastrei, mesmo sem estar no governo ou em um cargo público, mas com os conhecimentos que tenho através do senador Dário Berger, e através de deputados federais, nós cadastramos R$ 6 milhões no projeto do Observatório. 

Da mesma forma nós precisamos canalizar isso até Brasília e ao Governo do Estado também, para buscarmos recursos do Governo Federal e do Governo do Estado para por isso em prática. Pra dar o espaço e ter logística para essas atividades. Quando você fala de Vila Olímpica, não só a Fenajeep e não só Rodeio. Nós temos a ideia de trazer a Fórmula Truck para Brusque. Em Brusque nós temos grandes pilotos de kart, podemos até dar um suporte maior para isso. Quantos poderiam vir participar?

Temos um problema de logística. Você vai fazer um evento da Fórmula Truck aonde aqui? Não tem espaço para fazer, não tem pista. É importante este espaço para nós, mas só que nós não podemos prometer isto dentro de um plano de governo com recursos da prefeitura. O nosso plano de governo está muito embasado e fundamentado em cima dos recursos que nós temos próprios. Este projeto nós vamos buscar recursos com o Governo Federal e Estadual para por em prática e lá alojar estes eventos importantes.


CHICO CORDEIRO (PSOL)

Nós entendemos que Vila Olímpica, se você não tem um trabalho de base no esporte, soa meio contraditório. Hoje a gente tem uma estrutura de esporte de base, que a gente já tem, que a gente podeira fomentar o esporte, e não é feito isso. Então porque construir mais outra estrutura física se você não tem, na prática, um incentivo à prática de esporte.

Por isso, quando a gente fala que primeiro a gente tem que trabalhar a questão dentro da escola, é por que entendemos que o esporte não está sendo incentivado por parte do poder público. Então, na nossa opinião, construção de Vila Olímpica é construir mais um elefante branco para ficar ocioso na cidade.

Já temos o Pavilhão da Arena Multiuso que está ali, sem uso nenhum, a não ser alguns eventos, até porque foi mal feito. Para muitos tipos de eventos não suporta. Então, no nosso entendimento, primeiro temos que fazer uso da estrutura que tem. A gente não usa as estruturas das escolas por exemplo. Temos vários ginásios nas escolas que ficam lá fim de semana, sem nenhuma tipo de prática no esporte.

No nosso entendimento a Vila olímpica soa contraditória diante do atual quadro de falta de incentivo às praticas esportivas na cidade. Portanto, a gente jamais iria dar continuidade a esse projeto. Vai criar somente mais um elefante branco para ficar em desuso, mais uma estrutura para onerar o município.

ODIRLEI DELL'AGNOLO "BAH" (Solidariedade)

A Vila Olímpica é um sonho. Quem não quer ter uma vila Olímpica na sua cidade? Eu não tomei conhecimento do projeto e sim, dos custos deste projeto. Porém, é um sonho meu também. Mas entre sonhar e por isso na realidade, temos que analisar o contexto financeiro da prefeitura, as contrapartidas que vão vir do Governo Federal e Estadual. 

E, da minha parte, vou incentivar, gostaria muito de ter um espaço como esse até por que, nesse espaço, a gente vê a união de todo esse modelo que a gente quer de democratização do esporte, e lá seria o ponto onde os melhores, quem se destacarem, quer se profissionalizar.

Poderia de fato ter um ambiente próximo de sua residência pra poder ter um esporte de alto rendimento também em Brusque, uma infraestrutura para um esporte de médio e alto rendimento, então, todo o nosso projeto visa apoiar o esporte de base do dia a dia, ele acaba talvez, trazendo novos atletas para o esporte profissional e, para isso, se a gente tiver uma Vila Olímpica em Brusque, com certeza será fantástico. 

Agora, tem que se avaliar a questão financeira e as prioridades da cidade, isso tem que ser discutido com a comunidade, abertamente, claramente pra a gente definir essa situação da Vila Olímpica. Qual é o custo e qual é a possibilidade de a gente fazer ou não prioritariamente. É um sonho meu também.


DR. JONAS (PSB)

Acho uma pergunta muito importante. Todo mundo, a administração anterior, esqueceu. Eu vejo assim pro futuro, pra frente. A gente sabe que a arrecadação da prefeitura caiu. O Brasil teve uma crise tremenda, 200 mil empresas faliram e 13 milhões de desempregados. Então, é claro que vai ter que se fazer um investimento muito grande. Nós vamos ter que tirar o fundo fora em Florianópolis, no Governo do Estado, ou Governo Federal, para poder começar a fazer alguma coisa ali em termos de obras físicas, construir. 

Acho uma área muito boa, uma área importantíssima, e vai servir de base para nós formarmos nossos atletas, criar ali dentro. Porque ali vai ter várias modalidades de esporte, é uma área grande e dá de construir espaço para várias modalidades separadas, individuais. Isso cria um futuro melhor para nós. Eu tenho interesse nisso e eu acho que minha administração vai votar neste sentido. Só que, infelizmente, só estamos em uma situação meia pesada financeira e não sei como nós vamos tocar devagarzinho aquilo lá, o projeto e tal. 

Eu tenho que ver ainda, não assumi a prefeitura, se tem algum projeto já feito se está ali pronto, se tem ali alguma ideia, alguma coisa montada em cima daquilo lá, porque aquilo foi comprado para isso. E seguramente já devem ter feito algum projeto. Eu não sei se vou ter que alterar o projeto ou acrescentar ou adulterar, mexer naquilo ali, não sei o que eu vou ter que fazer. Só sei que realmente é uma situação importantíssima. Considero fundamental a Vila Olímpica, porque isso daí traduz a preocupação que já tinha lá atrás de ter uma área especializada em esporte, Vila Olímpica, tal. Podemos até ter atletas que no futuro vão disputar Copa do Mundo, disputar jogos de basquete, vôlei, futebol e outras modalidades. Tudo nascendo na Vila Olímpica, fica na história da cidade.


GUSTAVO HALFPAP (PT)

Essa área da Vila Olimpica é uma área de 465 metros quadrados, mais de três vezes superior a toda a praça da Fenarreco, Arena, é uma área gigante e e ela foi comprada da Souza Cruz e está todo o pagamento assegurado porque foi utilizado recursos da venda da antiga Secretaria de Obras, onde ela foi comprada com um sacrifício, gastamos muito tempo negociando com a Souza Cruz, e a Souza Cruz só vendeu aquilo para o município porque entendeu que o projeto era muito útil para a nossa cidade. 

Além de congregar esportes, bicicros, motocross, kart, futebol, natação, atletismo, uma série de esportes ali, ela servirá também para grande eventos, como a Fenajep que hoje já reclama de pouco espaço, o próprio CTG. Então, por isso até mudamos  a concepção de Vila Olimpica no nosso plano de governo. Agora ela consta como Mega Parque, pela diversidade de eventos que vão ocorrer lá. 

Apostamos nisso aí, temos todo o interesse em implementar isso, mas vai ter que ter uma parceria com uma série de entidades que detém esses esportes, ou são envolvidos. Havíamos feitos umas duas ou três reuniões com esses grupos, todos abraçaram a ideia, entenderam que dependeria deles a implementação do projeto. Nós faríamos a infraestrutura, via de acesso, alguma terraplanagem para o qual havíamos reservado recursos daquela venda. Então, aquela venda comprou terreno e sobraria recursos ainda para implementar o núcleo estrutural. É um projeto que temos certeza que vai dar certo, criar uma nova zona de expansão na cidade, propiciar eventos maiores, mais diversificados. Acho que vai dar qualidade até para o Turismo, na Economia. Então, é um projeto que seguramente vamos implantar.

Leia também >> Veja o que pensam os candidatos a prefeito de Brusque sobre a extinção da FME



Redação

E-mail para contato contato2010301602089637@2010301602088809esportesc.com.