Conteúdo
Colunista: Luiz Gianesini
Publicação: 11/09/2020 16h01

ADALBERTO APPEL, popular Beto Appel 

O entrevistado desta semana é o ex-presidente do mais querido da Pedro Werner, ADALBERTO APPEL, popular Beto Appel: Filho de Walter Appel e Georgina Zimermann Appel, natural de Brusque, nascido aos 19.08.44. Cônjuge: Ivani – Nica – Krieger. (in memoriam); um casal de filhos: Elisiane e Fabiano (goleiro de grandes jornadas). Foi presidente do CEUB – Clube dos Estudantes e Diretor Social na Presidência de Gerhard Nelson Appel. Presidente do Paysandu em 1976.

Foi Presidente do Paysandu? De quem recebeu o cargo e a quem passou?

Presidi nos idos  de 1976; recebi o cargo de presidente do saudoso Gerhard Nelson Appel e passei ao também saudoso Dr Antônio Luiz da Silva, meu Vice, pouco tempo antes do término do mandato.

Ocupou outros cargos? Como foi? Quem dirigia o Clube?

Fui Diretor Social, na gestão do Gerhard Nelson Appel. Promovíamos os badalados e inesquecíveis bailes carnavalesco.

Em 1976 você presidiu o verde e branco, o Clube disputou o Estadual?

Sim. Disputamos. O Clube estava licenciado desde 1972, e o treinador era o Esnel.

Que obras principais foram realizadas durante sua gestão?

O Restaurante e a Portaria. O Restaurante foi construído porque em Brusque não tinha um Restaurante para a Sociedade. Ressalte-se que construímos um Restaurante com ar Condicionado, de primeira.

Dos integrantes de sua Diretoria, quem poderia ser destacado?

O Diretor Social, era o saudoso Marco Antônio Pizzaro da Silveira, o Diretor de Patrimônio, os também saudosos:  Armando Euclides Polli e Gerhard Nelson Appel.

Voltaria a dirigir o destino do mais querido?

Se tivesse o apoio geral, apoio, inclusive das empresas, como acontecia antigamente, ou seja, as empresas adotavam o jogador, inclusive, dois deles bem me lembro, eram funcionários da Renaux: o Goleiro Branco e o zagueiro Ari Garcia. Hoje, poderia acontecer o mesmo, ou seja, serem adotadas pelas  empresas com maior suporte financeiro, um ou dois por cada empresa...

A ‘maledita fusão’?

Participei de diversas grandes reuniões no Clube, a respeito da fusão, só que não tinha direito a votar por ser na época simples associado. A primeira vista, parecia ser o caminho ideal, viu-se que um clube só na cidade e bem estruturado, deveria deslanchar, todavia não foi o que aconteceu no início, agora os resultados do Brusque F.C. retratam àquela expectativa existente quando da fusão, com os títulos da série D do brasileirão, das conquistas da taça Santa Catarina e dos bons resultados na Copa Brasil de 2020..

Achou providencial a preocupação da Diretoria liderada pelo Ruy Queluz com o Patrimônio?

Sim. Sem dúvida alguma. Inclusive encontrou respaldo  na Justiça,mormente em ter feito o ecônomo sair da sede... . Ninguém mais aguentava a ocupação da sede no estado em que se encontrava.



Luiz Gianesini - Coluna Personalidades do Esporte

Nascido em Brusque, em 8/10/1948, Luiz Gianesini é filho dos saudosos Evaldo e de Ida Maria Boni Gianesini. Já escreveu suas crônicas em diversos jornais. Em EsporteSC, conta quinzenalmente a história de celebridades que marcaram época no esporte E-mail para contato luizgianesini12010311852535773@2010311852534945gmail.com.