Conteúdo
Repórter: Sidney Silva
Publicação: 11/07/2019 13h58

No retorno do Perugia à elite do voleibol italiano, uma atleta de Nova Trento será uma das grandes estrelas da equipe na disputa nacional. Rosamaria Montibeller, 25 anos, hoje a principal atleta da cidade de menos de 15 mil habitantes, vai defender o tradicional clube europeu em sua primeira experiência internacional.

O Perugia volta à elite após passar por uma série crise financeira e praticamente fechar as portas em 2011. De lá para cá, teve que passar por todas as divisões italianas, saindo da quinta, para retornar a primeira em 2019/20.

Desafio que não assusta a atleta que começou a carreira na equipe Nova Trento/Tim para depois brilhar por diversos clubes do Brasil, além de passar por todas as categorias de base da seleção nacional. O último clube de Rosamaria foi o Praia Clube (MG), equipe com a qual a neotrentina chegou à grande final da Superliga e ainda teve a oportunidade de disputar o Mundial de Clubes.

Em entrevista especial ao Jornal EsporteSC, Rosamaria destaca o bom momento vivido na carreira e a experiência de, pela primeira vez, vestir a camisa de um clube fora do Brasil. O sonho de defender a Seleção Brasileira na Olimpíada é uma realidade, mas a catarinense prefere não fazer muitos planos antes da convocação para Tóquio 2020. O primeiro objetivo? Fazer uma grande temporada no Perugia e projetar seu nome, agora, no cenário internacional. “Espero que todos torçam por mim”, convida a atleta. Veja abaixo a entrevista completa.

EsporteSC – Como está encarando essa nova oportunidade no Perugia e de jogar no voleibol italiano?

Rosamaria – Estou muito feliz com essa oportunidade. É um grande passo na carreira de qualquer atleta e estou ansiosa para chegar lá e conhecer as meninas e a estrutura do clube. Sei que é uma equipe de muita tradição na Itália e estou bem feliz de jogar num clube tão sério.


EsporteSC – Quais suas expectativas e o que te levou a aceitar esse desafio?

Rosamaria - Faz parte de um planejamento de carreira que fiz logo quando comecei. O desejo que tinha e qual seria o caminho ideal. Então, jogar na Itália parte de um planejamento e, graças a Deus, deu tudo certo e sou muito feliz por isso. O que me fez aceitar esse desafio foi todo o histórico que o Perugia. Na verdade, é um conjunto de coisas que são sempre pensadas antes de aceitar qualquer proposta.


EsporteSC - Como você imagina que será sua adaptação no voleibol italiano?

Rosamaria - Analisamos muitas coisas e espero realmente que seja um ano de muito crescimento, porque jogar na Itália, com atletas de vários locais do mundo e tanta diversidade, sabemos que não será nada fácil. Além disso, ainda atuarei numa posição diferente da qual vinha jogando e no primeiro ano tem a questão da adaptação, novo estilo de campeonato, colegas novos. No início é um pouco complicado, mas faz parte do aprendizado.


EsporteSC - Como está atualmente sua relação com Nova Trento, sua cidade natal. Acredita que será tranquila essa adaptação na Itália?

Rosamaria - [Essa relação com Nova Trento…] Isso ajuda um pouco também. Era uma das coisas que estava no planejamento também, ir para a Itália por causa da cultura, que já sou adaptada aqui, e a língua. Lógico que é diferente de estar morando lá, de fato, mas, por já conhecer e estar um pouco por dentro, acredito que vou me sentir um pouco mais em casa nessa primeira experiência internacional.


EsporteSC - Qual a sua maior glória e decepção da carreira até o momento?

Rosamaria - Maior glória é o fato de sempre estar na seleção brasileira e ter tido oportunidade em todas as categorias que passei. Não lembro de nenhuma decepção, para ser sincera. Não tento levar nada como decepção, mas tudo como aprendizado. Uma hora a gente está no topo, outra perde, e isso faz parte da vida de qualquer atleta.


EsporteSC - Como analisa o momento atual da sua carreira?

Rosamaria - Feliz com tudo que aconteceu e com o crescimento que venho tendo, objetivos sendo alcançados. Tenho sido muito feliz nas minhas escolas e cada uma delas me mostra algo para me tornar uma atleta melhor. Pela primeira vez cheguei na final da Superliga com o Praia Clube e é difícil dizer o quanto isso agregou na minha carreira; joguei o Mundial de Clubes também, pelo Praia... Você começa a enxergar o vôlei de uma outra maneira. A oportunidade no Praia me fez crescer muito e tomar decisões com mais certeza. Estou muito feliz por essa temporada que passou.


EsporteSC - Quais seus planos para o futuro?

Rosamaria - Primeiro conseguir me adaptar a um campeonato diferente: jogadores diferentes, clube novo. O principal objetivo é esse. Tento pensar sempre um passo cada vez. Ano que vem é ano de Olimpíadas, quem sabe trabalhar para estar na seleção, mas quero fazer um bom trabalho dentro do meu clube, porque vou voltar a jogar numa posição que não vinha jogando ultimamente, então sei que será um ano totalmente novo para mim, mas estou trabalhando tranquila, com o coração em paz, e trabalhando aqui no Brasil para me apresentar na Itália da melhor forma possível. Estou fazendo a pré-temporada aqui para chegar bem lá, o que é muito importante. E é isso… Espero que todo mundo continue me acompanhando e torçam por mim. Vou lutar para representar bem a nossa região e nosso país.

Foto: Pedro Vale



Sidney Silva

E-mail para contato redacao1911182331002740@1911182331001911esportesc.com.