Conteúdo
Colunista: Gustavo Assi
Publicação: 11/06/2020 17h52

Coluna Psicologia do Esporte: Por Gustavo Assi

Se você esteve acompanhando as notícias nas últimas semanas, deve ter visto que diversos países estão passando por ondas de protestos desde o assassinato de George Floyd. O racismo é uma prática cultural muito bem estabelecida em diversos locais do mundo, e suas consequências amplamente negativas, como a desigualdade social, são devastadoras. Cada vez que nos calamos, consentimos com o que é feito. É uma das chagas que a humanidade está lutando para curar, e o tratamento dessa doença muitas vezes é agressivo.

No esporte isso não é diferente. No futebol, mesmo com diversas campanhas da FIFA, inclusive com o artigo 4 do seu estatuto, vez ou outra damos de cara com uma notícia de um jogador que sofreu racismo. Um exemplo recente, que tomou uma proporção bem grande aqui no Brasil em 2019, foi do jogador Taison, que foi alvo de ataques racistas de torcedores do seu próprio time na Ucrânia. E ele ainda foi expulso.

Como já comentei outras vezes, o esporte é uma ferramenta, que pode ser usado tanto para libertar as pessoas e diminuir as desigualdade ou aumentar o abismo que há no mundo. Para mim a resposta é óbvia: seja por questões de raça, etnia, religião, sexo ou orientação sexual, o esporte não deve ser palco de nenhum comportamento discriminatório.



Gustavo Assi - Coluna Coluna: Psicologia do Esporte

Gustavo Assi é psicólogo formado pela Unifebe e pós-graduado em Neuropsicologia pela Uniara. Atua como psicólogo clínico e, dentre todas as demandas, atende, também, atletas por meio de consultoria em psicologia do esporte e do exercício. E-mail para contato psigustavoassi2007041740581057@2007041740589742hotmail.com.